Tags

, , , , , , ,

A ORIGEM (Inception)

EUA / Reino Unido, 2010 – 148 min

Ficção científica / Suspense

Direção: Christopher Nolan

Roteiro: Christopher Nolan

Elenco: Leonardo DiCaprio, Ellen Page, Joseph Gordon-Levitt, Marion Cotillard, Ken Watanabe, Tom Hardy, Cillian Murphy, Tom Berenger, Dileep Rao, Michael Caine, Lukas Haas, Pete Postlethwaite

Sonhar é uma grande aventura da vida solitária. Seja qual forem os prazeres ou terrores dos estados de sonho, prevê nós experimentá-los sozinho… ou não.

E se outras pessoas pudessem literalmente invadir os nossos sonhos, e se existisse uma tecnologia que permiti intrusos criarem e manipularem nossas vidas dormindo com o objetivo de roubar os nossos pensamentos em segredo, ou mais preocupantes ainda, implantando idéias no mais profundo dos nossos estados subconsciente e fazendo-nos acreditar que realmente são nossos?

Bem vindo ao mundo de “A Origem“, escrito e dirigido pelo mestre Christopher Nolan, um belíssimo thriller de ficção científica, emocionante e tão perturbador quanto parece. Este entretenimento é tão intenso e irritante que você terá que se preocupar se é seguro fechar os olhos à noite. Mas podemos começar anunciando, com grande alívio, que todo o hype em cima do filme é justificado. O primeiro filme do escritor-diretor Christopher Nolan depois de “O Cavaleiro das Trevas” é incrivelmente lindo, tecnicamente perfeita sinfonia de imagens e idéias. O mistério da inversão em “Amnésia“, que colocou Nolan no mapa há uma década, parece quase singular em comparação. Níveis

Na sua enormidade pura, é cada polegada de um blockbuster, mas no bom sentido da palavra: é incrível, ambicioso e profundo. A fotografia, o design de produção, efeitos, edição, a trilha, tudo soberbo. Mas ao contrário de muitos filmes atribuídos a tag de blockbuster, “A Origem” não é um passeio de emoção irracional. O filme vai fazer você trabalhar sua mente, mas isso faz parte daquilo que é tão emocionante sobre ele. Com os seus conceitos complicados sobre sonhos dentro de sonhos, as camadas de consciência e os métodos de manipulação de “A Origem” podem fazer você querer parar algumas vezes apenas para se recompor.

Porém o rolo compressor de Nolan, no entanto, continua patrolando sem piedade.

A Origem” não é apenas sobre o estado de sonho, o que significa que ele tem o dom de ser mais fácil de seguir do que de explicar. Especificidades da área podem ser difíceis de definir, especialmente no início, e adivinhando a cada momento o que vai acontecer em seguida, ou mesmo se os personagens estão em um sonho ou na realidade, nem sempre é possível distinguir. Durante os meus esboços desta critica, percebi que tinha gasto muitos parágrafos simplesmente para tentar explicar o enredo. Por isso vou simplesmente evitar esta exposição e apresentar a premissa básica do filme. Um dos aspectos mais gratificantes do filme são as suas raízes em gêneros antigos do entretenimento. Além do seu tema focado na ficção científica, “A Origem” tem laços fortes em filmes noir, elementos facilmente reconhecíveis, como a femme fatale, o amor condenado e fatídica decisão do protagonista de assumir “um último trabalho”.

A Origem” se desenrola num tempo indeterminado onde o serviço militar interessado em experiências com soldados, inventou um dispositivo que permite a indivíduos invadir os sonhos de outros e se for inteligente e experiente o suficiente, extrair segredos revelados por meio do inconsciente do sujeito. Um dos melhores “extratores” é Cobb (Leonardo DiCaprio), ajudado por Arthur (Joseph Gordon-Levitt) um aliado de confiança que é profundo conhecedor da mecânica envolvida. Cobb é introduzido no meio de um sonho envolvendo Saito (Ken Watanabe), um rico empresário japonês.

Após a falha em seu último trabalho Saiato propõe um último serviço a Cobb, se ele também é capaz de implantar idéias na mente de uma pessoa, uma manobra que muitos acreditam que não pode ser feito. Saito promete a Cobb a oportunidade de rever seus filhos, que devido a um incidente no passado o impede de voltar para seus filhos na América, e é a única proposta que ele não consegue resistir. Ele assume este último um trabalho e ele concorda com a prática da inserção em Robert Fischer (Cillian Murphy), o herdeiro de um império de energia de bilhões de dólares, tudo em prol de ser capaz de voltar para casa.

Para o serviço, Cobb tem de formar uma equipe para fazer o trabalho. Além de Arthur, ele busca em Eames (Tom Hardy), o falsificador, dotado de representar as pessoas dentro de sonhos, e Yusuf (Dileep Rao), o químico, que faz os compostos que colocam as pessoas “para dormir”. E com a ajuda de seu pai Miles (Michael Caine), ele encontra Ariadne.

Batizada em homenagem ao personagem mitológico que ajudou Teseu encontrar o seu caminho para fora do labirinto do Minotauro, Ariadne (Ellen Page) é uma jovem arquiteta que é necessária para criar as paisagens do subconsciente no mundo dos sonhos. A meu ver a função de Ariadne como arquiteto é a de dar “razão” ao sonho fazendo dele um mundo padrão como o nosso e não uma disfunção de pedaços e enigmas que só uma mente como a de Terry Gilliam poderiam conceber.

A Origem” é talvez o projeto mais desafiador depois de “Amnésia. Este é um filme que envolve o intelecto, enquanto o mesmo não ignorando o tempo visceral. Há inúmeras cenas incríveis de ação, como o combate dentro de um hotel onde não há gravidade enquanto um carro capota (assistindo faz mais sentido que escrevendo). Mas também não há nada que não se tenha visto antes em “Matrix”, por exemplo. Na verdade, a segunda metade inteira do filme eleva-se, cuidadosamente coreografada, uma seqüência de suspense crescente em que as circunstâncias perigosas se desdobram em três níveis de sonho. Batendo na trilha composta por Hans Zimmer e os cortes perfeitamente cuidadosos de Nolan.

Como intelectual que se envolva como este material, Nolan sabiamente não ignora a necessidade de o espectador a ter uma forte ligação emocional com o personagem principal. O passado de Cobb desenvolve gradualmente, com o roteiro esmiuçando aos pedaços, como migalhas na frente do espectador a intervalos regulares. Nós aprendemos a verdade sobre seu relacionamento com sua esposa e filhos durante o curso da narrativa e, como se poderia suspeitar determinado viés anti-felicidade de Nolan (seus filmes não são exatamente despreocupados e felizes), há os elementos trágicos. Cobb é o único personagem cujas experiências se desenvolvem – os outros membros de sua equipe são secundários. Eles ficam muito tempo na tela, mas sabemos pouco sobre eles além de suas funções dentro do sistema.

O elenco composto em sua maioria por oscarizados, tem como seu protagonista Leonardo DiCaprio vivendo dramas e conflitos psicológicos parecidos com seu personagem anterior em “A Ilha do Medo”. Ambos Cobb e Teddy Daniels ficaram separados de suas famílias e sofrem de culpa insuportável, e têm difíceis problemas com relação à manipulação da natureza da realidade. Eis Outra semelhança: DiCaprio está excelente em ambos os filmes.

Joseph Gordon-Levitt e Tom Hardy estão muito bem em seus personagens, Gordon-Levitt alias vem crescendo muito como ator e aos poucos está a se tornar uma estrela em destaque no meio cinematográfico. A seleção da premiada ao Oscar a atriz francesa Marion Cotillard como Mal, tipifica o cuidado que Nolan tomou ao escalar o elenco neste thriller onde as ligações emocionais precisam de força e destaque num movimento que compensa as cenas em que ela compartilha com DiCaprio. O uso repetido de Edith Piaf em “Non, Je Ne regrette Rien” diverte. Afinal, Cotillard ganhou o Oscar por sua interpretação do “pequeno pardal” em “Piaf – Um Hino ao Amor”. Ellen Page, habilmente expressa através de sua juventude, inteligência e seriedade as questões que o público tem. Além das veteranas companhias de Nolan os impecáveis Caine e Murphy, os papéis menores também tiveram seus destaques, incluindo Pete Postlethwaite como o pai doente de Fischer e Tom Berenger como um de seus sócios principais.

Há muita coisa para se conhecer e se saber, mas a entrega é pensativa e imaginativa e a exposição mantém o espectador atento, apesar da quantidade de informação necessária para entender a premissa, cenário e enredo. Ela tende a ser o caso de regras para se criar muitas brechas. Outros cineastas poderiam e utilizariam destas regras para enganar e deixar o público a preencher os saltos de lógica. Mas “A Origem” joga sempre justo com o espectador. Nolan torcerá sua mente, mas não é um filme sobre torções. É um filme construído sobre as possibilidades e da ousadia de buscar as possibilidades.

O filme merece repetidas visualizações, mas a partir de sua primeira visão pode se apreender os acontecimentos na tela e como eles interagem uns com os outros, enquanto você se força a ser um espectador ativo. Mas, com peças de conjunto tão complexo, tão de cair o queixo, e assim tirar o fôlego, você verá que não é nenhum esforço manter o foco.

O âmbito deste filme é impressionante. Cidades se dobrando uma em cima da outra, um trem de carga pode estourar em uma rua da cidade, a perda da gravidade, e tudo o que sabemos é impossível parece completamente natural. Não é suficiente dizer que a fotografia é linda, ou que o design de som é sensacional, ou a trilha composta por um dos melhores compositores de todos os tempos, Hans Zimmer fez uma trilha impecável. Não há elementos de “apoio” em “A Origem“. Assim como as camadas do filme e de sua estrutura narrativa e temática. Você vai notar a fotografia, a direção de arte e os sons e a trilha.

Isso significa que este filme é perfeito? Não, e sabe o quanto me dói dizer isso, mas há algumas falhas no diamante de Nolan. A desinência é provável que vá dividir algumas pessoas. Isso faz você pensar e questionar o que você acabou de ver, que algumas pessoas vão amar, e outros odiar. Para que conste, eu adorei, mas é possível que outros não. O maior problema, entretanto, vem do caráter da esposa de Cobb, Mal.

Sem estragar nada, o que é difícil porque a verdade sobre sua personagem se torna uma peça fundamental da trama, assim como o caráter de Cobb, o personagem de Mal é baseado na emoção, ela destina-se a ilícitos. Ela foi projetada para ajudá-lo a relacionar e conectar-se ao caráter de Cobb, mas suas cenas são poucas e distantes entre si, e ela às vezes é apenas pouco mais no enredo. Em algumas partes, isso é proposital, mas nos casos em que o público é destinado a se conectar com ela – seja pela aproximação de Cobb – fica um pouco plana.

Alias, se Nolan tem uma falha em seu trabalho, é a sua representação das mulheres nos filmes. Em ambos os filmes do Batman, a personagem de Rachel Dawes, que foi interpretada por Katie Holmes e Maggie Gyllenhaal, quase poderia ter sido totalmente removida de ambos que o filme não teria sofrido grande perda, sem contar os elementos da trama teriam efeito nos personagem. Claro que Duas-Caras não teria sido possível sem o caráter de Dawes, mas, além disso, não há muito mais na personagem dela. É o mesmo em “O Grande Truque“, onde as mulheres são usadas para promover a trama e adicionar ao final surpreendente e eu aposto se alguém se lembra do que fez em Hillary Swank em “Insônia“. Mesmo em “Amnésia“, Carrie-Anne Moss está lá para apoiar a história. A talentosa Ellen Page também parece estar em “A Origem” mais para ser a voz do público ao fazer as perguntas a Cobb, do que merecer um destaque em especial. Você nunca realmente compreendera as suas razões ou motivações, e além de sua interação com Cobb, ela tem muito pouco a oferecer no filme.

Mas isso é tudo piculharia, algo que é simples de se fazer num filme como “A Origem” simplesmente porque é o tipo de filme que vai ficar na sua mente por algum tempo e fazer você pensar. Eu já estou pensando em quando poderei ir assistir novamente.

Este é o filme de Nolan quis fazer desde que tinha seus 16 anos e a 8 anos vinha lapidando o roteiro, e mais uma vez, ele mostra porque é um dos mais respeitados cineastas que trabalham hoje. Pode ser um pouco pretensioso para a época, mas há chances reais de Nolan receber uma indicação ao Oscar para o melhor diretor, e ele poderia até mesmo ganhar. Ele merece.

___________

Discutindo “A Origem”!

Será que a minha explicação sobre “A Origem” corresponde com a sua teoria?

Eu percebo que a maioria das pessoas que viram “A Origem” fizeram em as suas mentes “anotações” sobre o que percebeu do filme (e Nolan terá, sem dúvida, orgulho disso). No entanto, para aqueles de vocês que ainda estão procurando uma explicação, gostaria de oferecer minhas reflexões.

Organizei por categoria, caso você esteja interessado em mais de um angulo do filme do que outra.

AS REGRAS

A primeira coisa a se falar é sobre as regras do mundo dos sonhos que Nolan pesquisou para o filme. Com toda a ação que acontece em tela, era fácil esquecer alguns dos detalhes mais finos – mas uma vez que as luzes se acenderam e as pessoas tinham tempo para pensar, e imaginar que a questão de que se estava sonhando com sonhos certamente veio à mente (entre outras questões também).

Lembre-se da premissa básica: Cobb (extrator) e sua equipe são vigaristas, e como qualquer trapaceiro seu trabalho é construir uma falsa realidade e manipulá-lo, a fim de confundir e / ou enganar um alvo (neste caso, o industrial Robert Fischer, interpretado por Cillian Murphy). Nolan leva o conceito clássico de um vigarista num passo adiante fazendo Cobb e sua equipe de ladrões de sonhos, mas no fim, o conceito básico ainda é o seu clássico filme de assalto.

OS NÍVEIS DE SONHO E O TEMPO DE SONHO

Nolan coloca um monte de contas e cálculos matemáticos para você, mas é tudo muito inconseqüente. Tudo que você precisa realmente saber são os conceitos básicos:

O sonho dentro de um processo de sonho é colocá-lo em um estado mais profundo de sonhar (entendeu?). Quanto mais fundo você vai, mais distante da realidade fica sua mente. Nós todos sabemos como é isso: quanto mais você dorme, o que é mais difícil de ser acordado e se torna mais viva e real sensação de um sonho. Se você está em um sono profundo o suficiente, nem mesmo os meios físicos usuais possam lhe acordar deste efeito, como a sensação de queda (o “chute”), ou mesmo, por exemplo, ter que ir ao banheiro.

Com o tempo quando você atingir o estado Limbo pode ser muito difícil de acordar, e o sonho pode se sentir tão vividamente real, que a mente pára de tentar despertar em todos os níveis – a mente aceita o sonho como realidade, como se deslizasse em um coma.

Quando você acorda no Limbo você não se lembra que existe tal coisa como um “mundo real” – como em todo sonho, você acorda no meio de uma cena e simplesmente aceita como ela é. Fugir deste ciclo é extremamente difícil, razão pela qual Cobb e sua esposa Mal ficaram presos no limbo por aquilo que parecia décadas.

O tempo é outro fator. Quanto mais fundo você entrar em um estado de sonho, o mais rápido sua mente é capaz de imaginar e perceber as coisas nesse estado de sonho. É-nos dito que o aumento é exponencial, para aprofundar os sonhos transforma minutos em horas, em dias, em anos. É por isso que Cobb e sua equipe são capazes de executar o trabalho em Fischer, enquanto a van ainda está caindo através do ar, antes que os soldados destruam a fortaleza de neve, e antes que Arthur destrua as alças do elevador, estando todos dentro de um vôo de Sydney Austrália para Los Angeles.

No Limbo, a mente trabalha tão rápido que minutos reais podem ser interpretados como o passar dos anos. Quando Saito “morre” a partir do tiro que recebeu no nível 1 do sonho, sua mente cai no Limbo, Saito permanece lá por minutos, o que leva Cobb e Ariadne (Ellen Page) buscá-lo no Limbo – aqueles minutos em um estado de sonho parecem décadas para Saito em seu estado de limbo. Ao tempo em que Cobb lida com a expulsão da sombra de Mal de seu subconsciente, Saito começa a perceber-se como um homem velho.

A sombra de Mal esfaqueia Cobb durante o clímax do filme, o que lança Cobb volta para o Limbo e na praia da casa de Saito no limbo. Quando Cobb tem que “acordar” novamente no limbo, sua mente está confusa como a cabeça do velho Saito. Através do totem de Cobb a memória de Saito volta a fluir normalmente em um diálogo, que incluiu frases chaves – “Salto de Fé”, “O velho cheio de remorso, esperando para morrer sozinho”, etc. – Cobb e Saito são capazes de lembrar das conversas significativas que tinham e que há uma realidade que existia antes do limbo, onde ambos tinham desejos profundos que ainda esperam ser cumpridos (Cobb e seus filhos, Saito e seus negócios). Uma vez que eles se lembram que o limbo é limbo, eles são capazes de despertar (provavelmente com um tiro à cabeça).

OS JOGADORES

O Extrator – O extrator é o vigarista mestre, uma pessoa que sabe como manipular o sonho do alvo a revelar seus segredos mentais mais profundos. No fundo, um extrator é um vigarista clássico – ele cria um conjunto de circunstâncias falsas que manipulam o alvo para revelar seus segredos. Cobb (Leonardo DiCaprio) usa o mesmo tipo de repertório vigarista como George Clooney em “Onze Homens e Um Segredo” – Cobb só sabe literalmente fazer o seu trabalho em um nível subconsciente. Deixando a premissa fantasiosa de lado, porém, o extrator (como eu disse) é basicamente o vigarista clássico.

O Arquiteto – O arquiteto é o designer do sonho, as construções em que um extrator traz um alvo. “Pensar de um arquiteto como designer de videogames, só que neste caso eles criam os “níveis” dentro de um sonho, completo com todos os táteis e detalhes estéticos. O alvo (também conhecido como o “sujeito”) é levado para aquele sonho construído e preenchido com os detalhes de seu próprio subconsciente e memórias, tentando convencer o alvo de que o sonho que o arquiteto construiu é real – ou, muito menos, é o próprio sonho do alvo.

O arquiteto pode manipular a arquitetura do mundo real e física a fim de criar paradoxos, como uma escada infinita, que faz a função do mundo dos sonhos como uma espécie de labirinto. O sonho é construído como um labirinto de modo que: A) O alvo não chega ao fim do labirinto, percebendo que eles estão em um lugar imaginário. B) Então, o alvo percorre pelo labirinto, conduzindo pelo extrator até o “queijo” – ou seja, os segredos mentais que o alvo está protegendo.

Como o mundo do sonho é um local abstrato e estranho, onde ao entrar por uma porta você pode sair em um local totalmente oposto ao ambiente anterior, a figura do arquiteto serve como um “amenizador” de ambiente, trazendo locais e situações reais para um mundo abstrato, mas isso não impede de um trem atravessar a principal avenida da cidade!

O Sonhador – O arquiteto e sonhador nem sempre são a mesma pessoa. O arquiteto projeta o sonho / labirinto do mundo e pode, então, projetar um labirinto de um sonhador separado. O sonhador é a pessoa cuja mente abriga o sonho e é na mente do sonhador que o sujeito / alvo é finalmente introduzidos a fim de ser enganado pelo extrator. O sonhador permite que o alvo preencha sua mente com o subconsciente do alvo e a menos que o sonhador mantenha a estabilidade do sonho, o subconsciente do alvo vai perceber que foi invadida por estranho(s) e vai tentar localizar e eliminar o sonhador para se ver livre.

Quando você começar a entrar no aspecto do filme do sonho dentro de um sonho, identificar o sonhador pode ser complicado – isso é especialmente quando Cobb e sua equipe começam a por em prática o plano de “furto” na mente de Fischer no meio de três níveis distintos de sonho. Depois do início da seqüência de três níveis de sonho, uma boa maneira de acompanhar os sonhadores é de notar que o membro da equipe de vigia e não segue a equipe até o próximo nível de sonho – um sonhador, não pode entrar num estado menor de sonho, caso contrário, seu nível do sonho acabaria.

Aqui está um resumo de quem é realmente o sonho em cada nível de Fischer:

1.       A Cidade das Chuvas – Yusuf o químico (Dileep Rao) está sonhando este nível. Yusuf bebe muito champanhe no verdadeiro mundo real enquanto no avião, então quando ele vai dormir, ele tem vontade de fazer xixi (daí a chuva). Uma vez que Yusuf é o sonhador de nível 1, ele tem que ficar no mesmo nível do sonho, por isso ele tem de conduzir o carro.

2.       O Hotel – Os sonhos do hotel são de Arthur (Joseph Gordon Levitt), ele tem que ficar acordado enquanto o resto da equipe vai até o nível da neve. Quando o Yusuf van lança o carro para fora da ponte e o carro está voando pelo ar, o “corpo Arthur” é suspenso no ar, razão pela qual a gravidade do nível de sonho do hotel fica negativa – como sonhador, o corpo é deslocado e se mudou, ele os efeitos da física do sonho que ele está sonhando, pois a mente (e ouvido interno) está registrando a mudança na gravidade.

3.       A Fortaleza de Neve – Eames o “falsificador” (Tom Hardy) está sonhando este nível de sonho. A questão foi levantada sobre o porquê da gravidade no mundo da neve não deu errado enquanto “corpo Eames começa a flutuar no hotel de gravidade zero. Bem, você pode dizer que o corpo de Eames não está sendo abalado ou mudou de alguma forma a sua mente (ou ouvido interno) seria ativamente registrado ou que tão profundamente em um estado de sonho Eames sendo amortecido pelo efeito da gravidade. Ou, você poderia dizer que é um buraco no enredo gritante. Na verdade, é questionável.

4.       Limbo – Limbo é o sonho de espaço não construído na verdade – um lugar de matérias-primas (e aleatórias) impulso subconsciente. Ariadne traz linhas deste principio sobre o fato de que a equipe do extrator pode trazer elementos de seu próprio subconsciente para os níveis de sonho, se não forem cuidadosos, e desde que Cobb passou um tempo no limbo e tem um subconsciente pronto, o espaço em que entram Limbo inclui a memória da cidade que ele e Mal construíram para si.

O Alvo – O alvo (Cillain Murphy) é a pessoa que o extrator e sua equipe estão tentando infiltrar falsas memórias. O alvo é trazido para dentro da mente do sonhador, e desde que o alvo ignore o que ele / ela está sonhando, eles percebem que é um sonho e não o mundo real, ao mesmo tempo em que tornam real para si mesmo, preenchendo-o com detalhes e segredos do seu próprio subconsciente. O extrator usa desses detalhes mentais várias instruções para orientar o alvo através do labirinto do mundo dos sonhos, dos segredos que o extrator mental quer roubar ou implantar.

Como foi dito, o alvo acredita que ele ainda está acordado, percebe o mundo de sonho tão real que reforça a noção de “projetar” a sua visão consciente do mundo para o sonho – é por isso que pessoas são projetadas a povoar as cidades do sonho, etc. Devido às manipulações do extrator, o alvo vai junto com a realidade do sonho falso, finalmente chegando ao ponto do sonho onde quer realizá-lo, ou abrir sua mente e revelar seus segredos.

Projeções – Sonhos possuem um sentimento real para nós quando estamos sonhando e parte da razão para isso é a mente de nossa capacidade de construir um ambiente do mundo real do falso para nós interagirmos com os sonhos. Muitas vezes, esse sonho é algo como uma cidade ou de qualquer área habitada, onde há outras pessoas andando ao redor dele. Na “Origem”, aquelas pessoas que o alvo desconhece preenchem o mundo dos sonhos, com é conhecido como “projeções”.

Como são explicadas no filme, as projeções não fazem parte do espírito do alvo – são manifestações da visão da realidade do alvo. Se um alvo foi treinado para se defender contra extratores, eles têm uma parte de seu subconsciente, que está sempre em guarda contra o crime da mente sob a forma de segurança militarizada que atacam invasores mente. Em caso de Cobb, Mal (“a sombra”) é uma projeção com base em sua necessidade de se lembrar de sua esposa morta. Mal queria que Cobb voltasse para o limbo – o seu próprio subconsciente tentando puxá-lo de volta para um lugar onde ele poderia “estar com ela”.

O Falsificador – Eames (Tom Hardy) é um mestre em copiar/imitar a caligrafia, expressões e detalhes físicos das pessoas – e no mundo dos sonhos, mesmo que muito de sua aparência. Esta é a chave para o plano de Cobb: no nível dos sonhos 1 (a cidade das chuvas) Eames representa Peter Browning (Tom Berenger), o Tio e o mais próximo conselheiro de Robert Fischer.

Usando a imagem de Browning, Eames sutilmente sugere coisas tolas a Fischer afim de que ele crie em seu próprio subconsciente uma versão de Browning (visto em sonho nível 2, o hotel). A versão de Browning que Fischer evoca em seu subconsciente o motiva a percorrer mais profundamente o labirinto de Cobb (nível sonho 3, a fortaleza de neve), a fim de encontrar o “queijo” – ou seja, a concepção da idéia, por isso Saito queria Cobb para missão. Basicamente, o falsificador engana Fischer ao usar suas próprias projeções no subconsciente contra si mesmo.

Mal (A Sombra) – Mal é o personagem que atua como um navio para todas as noções mais complexas e questões sobre a realidade que o filme levanta. Mal não só é o pensamento, mas sentia que o mundo em que ela e Cobb tinham construído no limbo era real – a alimentava emocionalmente e a fazia feliz. Quando Cobb implanta a idéia de que “O mundo não é real” na sua mente, ele só o fez para que ela acordasse do limbo. Em vez disso, o que ele realmente fez ao permitir que a idéia de ter raízes em sua mente era para destruir esse sentimento de satisfação e de conexão que ela tinha – e uma vez que foi destruído, não poderia ser reparado.

Mesmo com o marido e os filhos de volta, Mal não conseguia acesso emocional a realidade que poderia vir com o laço de amor e a conexão para seus amores. Por causa da inserção, Mal não poderia valorizar o amor ou a ligação da mesma maneira porque uma falsa realidade ofereceria apenas falsas ligações e emoções – e só ela e Cobb e o seu amor era real para ela. Ela precisava continuar a tentar chegar a algum estado mais elevado, onde a dúvida persistente seria curá-la e ela poderia ser feliz novamente. E assim, pensando que Cobb estivesse perdido em uma falsa realidade, ela provocou o suicídio no hotel e implicando em culpar Cobb pelo assassinato dela para forçá-lo a segui-la. A idéia que Cobb implantou nela levou-a a morte (aparentemente), e que a culpa do ato levou Cobb a criar uma sombra dela em seu subconsciente.

No clímax do filme, Mal lança questões profundas a Cobb (e a platéia) perguntando se aquilo não é outro estado de sonho.

Ela questiona a natureza da realidade e, certamente, se deve ou não a realidade do falso não é de sua própria espécie de estado de sonho – um lugar onde coisas fantásticas ocorrer – um lugar imaginado que nós, como cinéfilos percebemos de forma diferente a preencher com nossas visões e interpretações do próprio subconsciente. Belos pensamentos profundos.

O Fim

Há uma tonelada de teorias sobre o fim de “A Origem”, os dois maiores debates envolvendo Cobb, se ele ainda estava em um sonho ou se ele de fato retornou aos seus filhos no “mundo real”.

O fim de “A Origem” destina-se a deixá-lo pensar e questionar a natureza da realidade. A questão importante não é “Cobb ainda está sonhando?”- O que é importante é o fato de que o caráter de Cobb passa de um cara que é obcecado com “saber o que é real” para finalmente ser uma pessoa que para de questionar e aceita o que faz ele verdadeiramente feliz como o que é real.

Mas as pessoas querem respostas mais concretas do que isso, então aqui vai os meus conceitos:

Depois de olhar duas vezes o que eu posso dizer é que a partir do momento que Cobb e Saito (parecem) acordarem do limbo, Nolan muito propositadamente efetua mudanças no filme em um estado ambíguo, o que deixa um pouco aberto para a percepção do espectador e interpretação dessa percepção – dois grandes temas do filme, muito coincidentemente.

A partir do momento que Cobb e Saito acordam, não há mais diálogo entre os personagens e algumas fotos ou imagens que concretamente explicam ou provam a interpretação. Cobb ainda está sonhando e sua equipe e família (e talvez Saito) são todas projeções? Ou é o trabalho concluído, todo mundo está de volta à realidade e tudo é feliz para sempre? Há alguns pedaços de “evidência” que pode certamente endereçar:

  • Saito é verdadeiramente poderoso o suficiente para fazer um telefonema e por fim aos problemas de Cobb ou era que apenas Cobb no limbo projetando em seu subconsciente que desejava ir para casa? Você pode argumentar logística tudo o que quiser, mas se ele disse que Saito é um homem rico e poderoso (ele comprou uma companhia aérea inteira para efetuar um assalto), então não há razão suficiente para inferir que ele poderia dobrar o sistema e ajudar Cobb. As pessoas ricas e poderosas dobram as leis o tempo todo.
  • Há algo com o agente da imigração ou ele é apenas um agente de imigração? Após duas visões, a conclusão deve ser que o cara da imigração é apenas um cara. Se ele está olhando para Cobb, é porque seu trabalho é olhar para as pessoas com mais atenção e analisá-las. Será que você deixaria as pessoas passarem através da imigração sem o controle face a face?
  • Será que o sogro de Cobb (Michael Caine) providenciou de encontrá-lo no aeroporto ou ele está lá porque ele é a projeção feita por Cobb? Neste momento estamos vendo maneira ampla às coisas. Há um telefone no avião, assim Cobb poderia ter facilmente arranjado alguém que o buscasse no aeroporto. Este foi também um plano complexo, então organizar a recepção no aeroporto será provavelmente na lista de afazeres.
  • No inicio do filme enquanto segura uma arma ao ver o pião girar, Cobb está usando o anel de casamento, o mesmo NUNCA aparece no mundo dos sonhos, e antes dele entrar nos sonhos de Fisher, Cobb está usando o anel, logo pressuponho, que este seja seu totem e não o peão. As cenas finais no aeroporto – significam que o que ocorre pode ser a “realidade”? Porém as cenas são rápidas e de difícil discernimento. Detalhes como esse são forte evidência de que certamente há um mundo real e que Cobb vive nele às vezes.
  • O facto de Cobb utilizar o totem de Mal significa que ele não funcione como um totem e, portanto, ele nunca sabe se ele está na realidade ou não? Mais uma vez, estamos vendo um pouco de profundidade nas coisas. As únicas pessoas que sabem do peso e a sensação de que o totem tem é Mal e Cobb, e desde que Mal está morta, logo, Cobb é o único que sabe dos detalhes do totem. Então, sim, ele certamente poderia usá-lo como uma medida da realidade, o totem não foi “arruinado” por ele ter usado.
  • No final, a crianças de Cobb parecem ser da mesma idade e estão aparentemente usando as mesmas roupas que estavam em sua memória – é “prova” que ele ainda está sonhando? No final de filme as crianças estão vestindo roupas semelhantes às que ele se lembra, mas seus sapatos são diferentes. Quanto à sua idade: se você olhar no IMDB, há na verdade dois conjuntos de atores creditados como interpretes das crianças de Cobb. A filha, Phillipa, é creditado como tendo o 3 e 5 anos, enquanto o filho, James, é creditado como tendo de 20 meses e 3 anos de idade. Isto sugere que, embora possa ser sutil, há uma diferença entre as crianças na memória de Cobb e as crianças que Cobb vê em casa. Isso sugeriria que o regresso a casa é na verdade a “realidade”. Mas fique à vontade para debater.
  • Será que o pião se mantém girando ou estava parando pouco antes Nolan encerrar o filme? Desculpe, nunca saberemos ao certo, apesar de ela começar a balançar e isso nunca é mostrado fazendo isso tanto no sonho quanto no mundo. Cada um de nós terá sua suposição.
  • *Tenho a impressão que toda a idéia do assalto era um plano arquitetado por Cobb para “despistar” a sombra da Mal, como se fizesse um grande balão para despistar do ponto final, mesmo que ele acabe de uma forma presumível e simples, como seria esperado.

No início do filme, após o primeiro trabalho da equipe Cobb tenta extrair informações de Saito, vemos Cobb sentado em seu quarto de hotel, sozinho, observando seu totem girar sob o topo da mesa, com uma arma na mão. Este é um cara que está pronto para explodir os miolos, caso o totem continue a girar, a fim de “despertar a si mesmo.” Que é como obcecado e paranóico, ele se tornou.

Ao longo do filme, Cobb continua obcecado sobre a realidade – no entanto, no final do filme, ele gira alto e vai embora com ele antes que ele possa verificar se ele parou de girar ou não. Seus filhos estão correndo e Cobb poderia não mais se importar sobre a “verdadeira realidade” ou extração / inserção. Ele só quer estar com seus filhos, em qualquer lugar que ele possa estar com eles. Essa ligação emocional e desejo é a “realidade”. É o suficiente para ele.

No final, Cobb vai embora como numa auto-afirmação em si, que também termina o arco de seu personagem. De certa forma, o filme é o seu próprio labirinto projetado para plantar uma idéia simples, pouco na mente do espectador: a “realidade” é um conceito relativo.

Bravo, Sr. Nolan. Bravo.