Tags

, , , ,

ATRAÇÃO PERIGOSA (The Town)

EUA, 2010 – 123 minutos

Drama / Policial

Direção: Ben Affleck

Roteiro: Ben Affleck, Peter Craig, Aaron Stockard e Chuck Hogan (livro)

Elenco: Ben Affleck, Rebecca Hall, Jon Hamm, Jeremy Renner, Blake Lively, Pete Postlethwaite, Chris Cooper, Titus Welliver

Adaptado do romance de Chuck Hogan ‘O Príncipe dos Ladrões’, ‘Atração Perigosa’, dirigido por Ben Affleck a partir de um roteiro co-escrito por ele, Peter Craig e Aaron Stockard, é o mais novo a entrar nos anais da criminalidade da cidade de Boston. Não é tão exuberante quanto a Boston corrompida, que Martin Scorcese nos apresentou em ‘Os Infiltrados’ – ou mesmo audacioso e sombrio como seu filme anterior ‘Medo da Verdade’. Mas mostra que Ben Affleck encontrou o seu lugar de destaque. Atrás das câmeras.

Num texto introdutório sóbrio nos informa que uma determinada área da cidade – Charlestown é um dos antigos bairros Irlandeses da cidade, onde turistas podem acompanhar o “Freedom Trail” ao “Monumento Bunker Hill” – é também o lar dos maiores assaltantes de carro-forte e banco que há em qualquer outro lugar dos EUA. Uma comunidade onde, dizem, as carreiras criminais são transmitidas de pai para filho. (Chris Cooper faz uma ponta fantástica como pai de Doug). E um dessa nova safra de assaltantes é Doug MacRay (Affleck), o líder de um esquadrão de assalto que está tentado mudar o curso da sua vida, mas não sem antes alguns últimos trabalhos, sua quadrilha é vista pela primeira vez assaltando um banco em Cambridge. Essa seqüência, como a maioria das outras ações, é brutal e extremamente eficiente, e da provas de habilidade e autoconfiança de Affleck como diretor.

Porém seu personagem é um pouco menos convicto das coisas. A vida do crime é a única que ele conhece, e ele é bom no que faz, mas há dicas gerais – OK, sinais em néon verde ultra chamativo – que seu coração não está mais disposto a correr certos riscos. Seu pai (Chris Cooper) está cumprindo pena na penitenciária, e não serve de um modelo, e o “melhor amigo” de Doug, Jim Coughlin (Jeremy Renner), além de irmão de aluguel e parceiro assalto, trata de não deixar Doug sair do ramo.

Coughlin, que esteve preso por nove anos por assassinato, é o pavio curto do bando, totalmente imprevisível e violento. Isso é mostrado durante o seu último trabalho, quando ele bate brutalmente num homem que suspeitou de ter disparado o alarme silencioso e resolve pegar a gerente do banco, Claire Keesey (Rebecca Hall), como refém. Ela é posteriormente liberada e nunca vê os rostos sem máscara, mas, quando percebe que ela vive no bairro, ele teme que ela possa identificar a quadrilha, logo Doug trata de segui-la para verificar se ela tem algum conhecimento que poderia ajudar a polícia identificá-lo, ele logo se vê atraído por ela. Esse é o tipo de filme, onde você tem que engolir algumas “coincidências” e “improbabilidades” consideráveis se não quiser se decepcionar. Embora Claire não possa ter posto os olhos em Doug durante o assalto (até porque ele estava usando uma máscara de Halloween), mas ela certamente ouviu sua voz, e Doug em nenhum momento tenta disfarçar isso.

Enquanto isso, o FBI está no trabalho. Liderados pelo agente Adam Frawley (Jon “Mad Man” Hamm), está determinado a pôr fim à onda de crimes. Eles suspeitam das identidades dos quatro indivíduos responsáveis, mas não têm provas suficientes para efetuar as detenções, muito menos obter as condenações. Então Frawley deve se engajar no trabalho de detetive antiquado fazer a vigilância, e recorrer a um bullying psicológico de vez em quando. O que ele está realmente esperando, no entanto, é outro roubo – um em que ele possa estar um passo à frente da turma de Doug e pegá-los no ato.

Em ‘Atração Perigosa’ o drama e a energia vem de duas fontes: o conflito entre os criminosos e o romance entre Doug e Claire. A incerteza quanto ao seu futuro em Charlestown, especialmente com a aproximação do FBI, convence Doug de que sua melhor opção é deixar Boston. Isso não anima Coughlin, que vê como a uma traição. Também pesa no conciente de Doug o falso relacionamento com a álcoolica-dependente e ex-amante Krista (Blake Lively), que mantém vivas esperanças sobre uma re-união com ele. E é aqui que Claire representa a oportunidade de redenção. Além de seu trabalho no banco, ela trabalha em uma horta comunitária e possui uma personalidade serena. Porém ele está apostando tudo em algo que não pode durar.

Affleck tem um olho afiado para histórias cinematográficas e sabiamente escolhe os set’s numa cidade que ele conhece intimamente. Ele tem um talento evidente para orquestrar intensas e envolventes cenas de ação. Renner está excelente. Hall exala inteligência e uma confiável serenidade. Lively efetivamente joga contra sua imagem brilhante e impressiona. Pete Postlethwaite estremece concreto no papel de chefão do crime irlandês, que segue calmamente seu dia de trabalho peculiar como florista, cortando fora os caules das rosas, como se fossem membros de seus inimigos

Longe vão os dias em que todos os criminosos usam chapéus pretos e todos os policiais estão vestidos de branco. Agora, é tudo cinza, e há momentos em que a tática dos “mocinhos” são menos dignos do que os dos homens que estamos perseguindo. ‘Atração Perigosa’ tem boas sequências de ação de alta octanagem que mantêm o suspense e facilita para o espectador saber o que acontece (nenhum corte rápido, nenhuma câmera em movimento). O filme capta o olhar e a sensação de Charlestown. Tornou-se um clichê, mas isso é uma daquelas produções em que a configuração é definida e apresentada com tal cuidado que é quase um personagem. Aqueles que têm uma afinidade por dramas criminais, filmes de ação onde tudo não tem que se mover na velocidade do som, e o suspense está no desenvolvimento dos personagens, que não representa uma intromissão indevida vai apreciar o que ‘A Cidade’ (depois de assistir ao filme detestei a forma como o filme foi nomeado) tem para oferecer. Não é tão envolvente quanto ‘Medo da Verdade’, mas isso é mais um comentário sobre as diferenças entre os materiais de que de nada tem a ver com o resultado final.